Aplicativos de transporte ou carro próprio?

Com a popularização dos aplicativos de transporte, muitas pessoas passaram a utilizá-los como forma principal de locomoção, inclusive, vendendo seus próprios automóveis em busca de economia, praticidade e eficiência.

A realidade é que constantemente as famílias e as pessoas estão em busca de reduzirem seus próprios custos e, naturalmente, se perguntam: “será que vale a pena mesmo ter um carro“? E a resposta é: depende do estilo de vida e da rotina de uma pessoa.

É pensando nisso que, no artigo de hoje, mostraremos se realmente vale a pena se desfazer do próprio carro e recorrer aos serviços de transporte disponíveis no mercado requisitados através dos aplicativos.

No artigo de hoje, você vai aprender sobre:

  • Vantagens dos aplicativos de transporte
  • Vantagens do carro próprio
  • Carro próprio ou aplicativos de transporte?
  • Qual o veredicto?

Vantagens dos aplicativos de transporte?

É fato que os aplicativos de transporte vieram para ficar. A oferta deste tipo de serviço simplifica a forma como as pessoas se deslocam, viabiliza deslocamentos mais rápidos, além de auxiliar na redução de veículos nas ruas, principalmente nos grandes centros urbanos.

Os passageiros têm acesso a carros confortáveis, novos e que oferecem alguns mimos, como água e bala. Nos dias quentes, o ar é ligado e as rotas são sempre otimizadas, uma vez que os motoristas usam aplicativos de gps.

Além disso, o trânsito brasileiro é um dos mais caóticos do mundo, sendo assim, ao se tornar um passageiro, certamente, ganha-se em saúde, uma vez que o stress habitual do trânsito não será vivenciado como antes.

Ademais, ao longo das viagens, é possível se dedicar a outras atividades que normalmente não seria possível para um motorista, como responder mensagens e e-mails, ler um livro, estudar ou se preparar para uma reunião.

Por fim, o tempo gasto à procura de vagas e estacionamentos, realizando manutenções, além dos gastos normais de um carro, como as despesas com IPVA, licenciamento anual, seguros e abastecimentos, não mais farão parte dos custos sobre a propriedade de um veículo, afinal de contas, ela não mais existirá.

Vantagens do carro próprio

Ter um carro sempre a disposição têm muitas vantagens. A começar pela liberdade que se tem, isto é, com um carro sempre a disposição pode-se ir a qualquer lugar no horário que se tem vontade.

Além disso, em situações de necessidade, como quando no transporte de pessoas até o hospital, por exemplo, ter um carro a disposição pode ser, inclusive, fundamental para salvar uma vida.

Ademais, para pessoas que se deslocam grandes distâncias rotineiramente, pode ser muito vantajoso possuir um veículo, podendo, inclusive, ser mais barato do que recorrer aos serviços de transporte oferecidos pelos aplicativos de celular.

Mas, quando possuir um carro, ao invés de utilizar os aplicativos de transporte, é mais barato e vantajoso? Em quais situações é mais econômico e eficiente utilizar os serviços de transporte por aplicativo?

Carro próprio ou aplicativos de transporte?

Um levantamento feito pela Proteste (associação brasileira de defesa do consumidor) comparou os custos mensais dos cinco carros mais vendidos em maio de 2018 com as despesas dos aplicativos de transporte. A análise mostrou que, a depender das condições de utilização, ter um veículo pode ser a solução mais barata.

Para saber os custos mensais dos automóveis, foram considerados sete critérios, sendo: depreciação do carro, taxas obrigatórias, seguro obrigatório e opcional, revisão programada, combustível e lavagens.

Para estimar o valor de depreciação para os próximos três anos, o estudo levou em consideração modelos com fabricação de 2015 até 2018 para projetar uma depreciação teórica do veículo para o futuro. Quer dizer, foi calculado quanto percentualmente o mesmo modelo comprado 0 km em maio de 2015 seria vendido em maio de 2018.

Assim, foi usado o valor percentual desta desvalorização para calcular o valor de depreciação até 2021 do mesmo modelo comprado 0 km em maio de 2018. O cálculo levou ainda em consideração o custo de oportunidade, que representa o quanto uma pessoa teria se não tivesse comprado o carro e aplicado a quantia na poupança com uma taxa de 0,37%  ao mês (maio de 2018) até maio de 2021.

Para as taxas obrigatórias, foi considerado a aquisição de um carro 0 km, taxas de emplacamento e licenciamento. Para os valores referentes ao seguro obrigatório (DPVAT) foi considerado o seguinte perfil, homem de 35 anos, casado e sem filhos.

Os programas de revisão considerados se estendem até os 45 mil km, o custo de combustível levado em conta foi no valor de R$ 4,538 L e as lavagens, uma por mês, no valor de R$ 50, totalizando 12 durante o período de um ano.

Os modelos alvo do estudo, há época os mais vendidos do país, foram: Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Ford Ka, Volkswagen Gol e Chevrolet Prisma.

Além disso, as estimativas de distância foram as mesmas para as duas situações, isto é, a simulação ocorreu no mesmo parâmetro tanto para os aplicativos de transporte, baseado no aplicativo Uber, como para os automóveis supracitados.

As distâncias consideradas, foram: 10 km (trecho de 5 km de ida e 5 km de volta), 20 km (trecho de 10 km de ida e 10 km de volta) e 40 km (trecho de 20 km de ida e 20 km de volta).

Para o percurso de 10 km, foi considerado o trecho da Av. Chedid Jafet até o Metrô Oscar Freire. Já o percurso de 20 km, o trecho considerado foi o trecho da Av. Chedid Jafet até o Metrô Alto do Ipiranga.

O último percurso, correspondente a 40 km, foi considerado o percurso entre a rua Machado Bittencourt, na Vila Clementino, em São Paulo, e Rua Aquinos, na Barra funda. Todas estas localidades se localizam na cidade de São Paulo.

Por fim, destacamos que outras fatores podem influenciar a precificação de ambas as simulações e, consequentemente, afetar o resultado aqui apresentado, como despesas com pedágios, estacionamento, taxas municipais e pequenos reparos, por exemplo.

Custos em 10 km

Custos em 20 km

Custos em 40 km

Qual o veredicto?

A depender da distância percorrida em um dia, os aplicativos de transporte podem valer mais a pena. Todavia, em todas as simulações realizadas, as pessoas que moram mais longe do trabalho economizarão mais se tiverem seus próprios automóveis.

Contudo, no contexto geral, levando em consideração os 5 carros mais vendidos em maio de 2018, para os usuários que rodam até 10 km, somente o Volkswagen Gol custa mais caro que as demais simulações. Em todas as outras análises ter o próprio automóvel e mais vantajoso do que recorrer aos aplicativos de transporte.

Conclusão

Como mostramos, é mais vantajoso, financeiramente, ter o próprio automóvel do que utilizar diariamente os aplicativos de transporte para se deslocar pelas cidades. Todavia, sabemos que não é só o aspecto financeiro que pesa nessa decisão.

Esperamos ter ajudado você a entender melhor este dilema. Agora, aprenda tudo sobre sazonalidade e como uma transportadora deve lidar com estas épocas, sobretudo, de aumento na demanda.

Recent Posts