Sustentabilidade: como controlar o nível de emissão de poluentes de sua frota?

Cada vez mais em foco nas empresas, a preocupação com o meio ambiente e com as futuras gerações tem se tornado parte da estratégia de várias companhias, a despeito de setor econômico, ramo de atuação ou estrutura.

As empresas que atuam com gerenciamento de frota, além dos próprios departamentos organizacionais, devem alterar a visão exclusivamente capitalista, centrada na lucratividade somente, e convertê-la em ações harmoniosas capazes de correlacionar o desenvolvimento corporativo com as demandas sociais e do meio ambiente.

A história nos auxilia a compreender que o modelo antigo estabelecido na sociedade, outrora direcionado ao consumo inconsequente, ocasionou (e ainda ocasiona) consequências drásticas e até mesmo irreversíveis, como a poluição e as desigualdades sociais.

O ser humano não pode exercer seu “direito” de consumo sobre determinadas coisas quando e como quiser sem se preocupar com as consequencias geradas, ainda que as implicações possam tardar em aparecer.

Por isso, no artigo de hoje, mostraremos como as empresas, através de tecnologias logísticas aplicadas à gestão de transporte, podem reduzir a emissão de poluentes de uma frota.

Otimização de rotas

É óbvio, mas, não custa explicitar: quanto mais um veículo roda, mais ele consome combustível, além de emitir maiores níveis de poluentes. Por isso, as empresas devem criar rotas de tráfego que sejam otimizadas e permitam reduzir custo.

Através da roteirização, tecnologia específica destinada ao estudo e criação de rotas otimizadas, isto é, as rotas mais curtas possíveis entre diferentes pontos geográficos, as empresas conseguirão otimizar suas estruturas de tráfego e reduzir custo.

Para saber mais sobre a roteirização, leia este conteúdo completo que escrevemos sobre o assunto. Para acessá-lo, basta clicar aqui!

Acompanhe o comportamento dos motoristas

Além de redesenhar as rotas de uma operação, monitorar o comportamento do condutor, isto é, suas ações ao volante, é uma ação de grande importância para reduzir a emissão de poluentes.

A aceleração exagerada, por exemplo, pode afetar diretamente a emissão de gases no meio ambiente, além de outros aspectos de um veículo, como o consumo de combustível.

Sendo assim, além de acompanhar o método adotado de condução, consegue-se ainda analisar outros fatores importantes, como nível de serviço ao cliente e a proteção do ativo em uso.

Realize as manutenções em dia

Gestores de frota que não realizam as manutenções dos veículos no tempo programado, seja por esquecimento (negligência) ou “economia”, comprometem seriamente o funcionamento dos automóveis de uma frota.

Veículos não regulados, normalmente, poluem mais do que aqueles que estão com as manutenções em dia. Além disso, problemas aparentemente pequenos e de fácil resolução podem tornar-se grandes dores de cabeça.

Por isso, acompanhe a programação das manutenções e verifique, sempre que necessário, as condições dos veículos de sua frota. Dessa forma, além de atender bem o cliente, o meio ambiente será beneficiado com isso.

Conclusão

Como vimos, além de prejudicar as organizações, a emissão de poluentes prejudica o meio ambiente e a vida das pessoas, podendo causar sérias doenças respiratórias, por exemplo.

Por isso, as empresas precisam se adequar as novas demandas deste tempo, correlacionado de forma harmoniosa o tripé econômico, social e ambiental, sobretudo, quando aplicado a gestão de transporte.

Com o iTransport, por exemplo, nosso software para gestão de transporte, conseguimos reduzir em toneladas a emissão de poluentes em nossos clientes. Conheça melhor nossas soluções clicando aqui!

Agora que você aprendeu mais sobre como reduzir a emissão de poluentes de uma frota, descubra tudo sobre o que é última milha, como aprimorá-la e qual sua importância para o comércio online.

Recent Posts