Roubo de cargas: como proteger sua transportadora?

Muitas empresas que atuam no mercado de transportes percorrem grande parte do território nacional transportando cargas de diversas origens, valores e especificações.

Se não bastassem os custos cada vez maiores, essas organizações estão sujeitas, infelizmente, a triste realidade vivenciada há algum tempo no nosso país: o roubo de cargas.

Pensando nisso, no artigo de hoje mostraremos como essas empresas podem se proteger, resguardando as cargas transportadas e os veículos utilizados para entregá-las.

Neste artigo, você aprenderá sobre:

  • Atual cenário do transporte de cargas no Brasil
  • Como uma transportadora pode proteger suas cargas e veículos?
  • Investimentos mais baratos x mais caros
  • Bloqueio/Desbloqueio remoto de veículos
  • Contratação de escolta armada (segurança terceirizada)
  • Chips de rastreamento de cargas
  • Monitoramento ativo
  • Sensores de abertura de baú e/ou compartimentos

Esperamos poder ajudá-lo (a) a compreender melhor quais são as alternativas disponíveis para aumentar a proteção de suas cargas, dos veículos de sua frota e dos motoristas.

Atual cenário do transporte de cargas no Brasil

O transporte de carga tem grande importância econômica para qualquer país, sobretudo para o Brasil, que utiliza as rodovias como principal meio de deslocamento e escoamento da produção.

Por movimentar a economia nacional e transportar produtos de alta demanda e considerável valor agregado (eletrônicos, medicamentos, alimentos, etc.), ao passar dos anos, o transporte de cargas despertou a atenção de bandidos e organizações criminosas como fonte de “estoque” e abastecimento para o mercado negro.

Em meio à crescente comercialização ilegal de produtos roubados e a necessidade de produzir rápida liquidez no mercado, muitos assaltantes se dirigiram para as grandes rotas do Brasil em busca de “oportunidades” para praticarem assaltos (furto e roubos).

Somado a isso, a segurança exercida pelas autoridades nacionais deixa muito a desejar, sendo esse um fator que favorece a prática de toda sorte de violência contra àqueles que transportam cargas por todo o território brasileiro.

Diante disso, os transportadores autônomos, os terceirizados e as transportadoras ficaram a deriva, amedrontados e inseguros e, por si mesmos, começaram a buscar soluções para incrementar a segurança de suas frotas, cargas e, sobretudo, dos motoristas.

Mas, o que pode ser feito para aumentar sua própria segurança, a segurança das cargas e dos veículos? Investir em tecnologias específicas de segurança logística e de proteção de ativos.

Como uma transportadora pode proteger suas cargas e veículos?

O mercado de soluções para segurança das cargas transportadas possui algumas opções disponíveis que podem ser empregadas nas operações dessas empresas em nosso país.

Todavia, algumas destas soluções, por possuírem alto preço de contratação, se restringem às empresas do transporte de cargas de maior porte, orçamento e capacidade de investimento.

Investimentos mais baratos x mais caros

As empresas de tecnologia da informação, voltadas à logística de cargas e ao transporte de mercadorias, ao passar dos anos, atentas a demanda desse mercado, desenvolveram soluções em resposta a estas necessidades.

Sendo assim, uma transportadora pode investir em tecnologias específicas capazes de proteger suas cargas, os veículos que realizam o transporte e os motoristas responsáveis por entregá-las todos os dias em vários cantos do país.

Além do mais, empresas especializadas em segurança, seja patrimonial ou pessoal, oferecem serviços de acompanhamento e escolta de cargas durante todo o percurso das entregas, coleta de materiais ou processos de logística reversa de maior valor.

Portanto, existem soluções capazes de tornar uma operação de cargas mais segura. Todavia, a depender de aspectos como orçamento disponível, estrutura da operação e necessidade, as transportadoras definirão as melhores opções para seu negócio

Bloqueio / desbloqueio remoto de veículos

Uma das tecnologias que pode ser empregada com o objetivo de proteger, é o bloqueio remoto de veículos, realizado à distância pelas centrais de transporte que gerenciam uma operação de cargas, podendo ser interna ou externa à organização.

Por meio desse mecanismo, o gestor pode bloquear e desbloquear o funcionamento de um veículo remotamente, quer dizer, dentro do seu próprio escritório, acionar os órgãos de segurança e tentar minimizar os prejuízos de ações desta natureza.

É interessante salientar que as empresas de tecnologia, junto ao serviço destacado (bloqueio/desbloqueio remoto), ainda podem fornecer outros serviços agregados, como a roteirização das rotas, o monitoramento veicular  e os relatórios de gestão que indicam a “saúde” de uma operação.

Contratação de escolta armada

Outra possibilidade mais cara, contudo, perceptivelmente mais segura, sobretudo, para o motorista, é através da contratação de escoltas armadas que acompanham os veículos até seus locais de destino, normalmente, em outros veículos de pequeno porte.

Contudo, há de se destacar o preço dessa solução em contraste com as soluções comercializadas pelas organizações de tecnologia que, normalmente, cobram uma assinatura mensal muito mais barata.

Chips de rastreamento de cargas

Outra forma de proteger as cargas é através da instalação de chips de rastreamento. Esses chips são acoplados à carga transportada e permitem a empresa monitorar, controlar e conhecer o estado da carga em todo curso de transporte.

No caso de roubo, a empresa consegue saber exatamente onde a carga se encontra, podendo agir com o propósito de recupera-las e, não menos importante, comunicar as autoridades sobre o ocorrido.

Monitoramento ativo

O monitoramento ativo é um tipo de monitoramento específico que indica algum tipo de violação pré-programada. Neste caso, esse tipo de monitoramento indica alguma violação no comportamento do caminhão ao longo de uma rota.

Caso o veículo pare em locais não sinalizados na programação, exceda a velocidade constantemente, se desvie da rota programada e realize outros tipos de movimentação suspeita, a central de transporte entende a situação como suspeita e inicia imediatamente uma investigação.

Sensores de abertura de baú

Esses sensores são instalados junto ao mecanismo de abertura das portas do caminhão ou local destinado ao armazenamento das cargas. Ao longo das entregas, caso haja detecção por parte dos sensores de abertura do baú, a central acompanha esse acontecimento e analisa a situação.

Inclusive, ao detectar a abertura não programada do local onde as cargas estão sendo transportadas, a central pode entrar em contato com o condutor do automóvel e esclarecer a eventualidade ocorrida.

Conclusão

Lamentavelmente, nos últimos anos, temos acompanhado o aumento no roubo de cargas no Brasil. Como vimos, existem alternativas que cooperam com a segurança que podem ser introduzidas nas operações de cargas, a depender da necessidade e orçamento disponível.

Todavia, ainda que as soluções sejam eficientes, muitas vezes, os assaltantes tem sucesso em seus atos ilícitos, conseguindo roubar as cargas e, não poucas vezes, causarem prejuízos para as transportadoras e seus clientes.

Contudo, existe o outro lado da moeda, quer dizer, muitas vezes as soluções empregadas para minimizar esta triste realidade atuam perfeitamente como o esperado e resguardam as cargas, os veículos e os motoristas, o que, no final de tudo, é benéfico ao negócio das transportadoras.

Agora que você aprendeu mais sobre quais alternativas podem ser empregadas para minimizar o roubo de cargas no Brasil, protegendo os motoristas e as cargas, descubra tudo sobre este aplicativo específico para o transporte de cargas e revolucione sua transportadora.

Recent Posts