Depreciação de frota: aprenda como calculá-la de uma vez por todas

A gestão ou controle de custos, em qualquer empresa, é uma atividade fundamental para o seu desempenho financeiro. Saber com exatidão os custos envolvidos na condução dos negócios é imprescindível para definir, por exemplo, aspectos como margem de lucro, preço de produtos e serviços, além de outros aspectos empresariais.

Na gestão de uma frota, qualquer erro na avaliação dos números pode ser extremamente problemático. Pensando nisso, no artigo de hoje, mostraremos como calcular a depreciação dos veículos de uma frota, além de detalhar qual a importância desse processo para a saúde financeira de uma empresa.

No artigo de hoje, você irá aprender sobre:

  • O que é depreciação?
  • Qual a importância deste cálculo?
  • Como calcular a depreciação?

O que é depreciação?

A depreciação indica a perda de valor financeiro de um determinado bem ao longo do tempo. De forma mais simples, podemos conceituar a depreciação como a desvalorização de um ativo, sob a ótica contábil. No caso da depreciação de uma frota, por exemplo, trata-se da perda de valor monetário, ao longo do tempo, dos veículos dessa frota, sejam leves ou pesados.

Na prática, assim que um veículo sai da concessionária ele já está perdendo valor. Além disso, quanto mais utilizado é um caminhão, por exemplo, maior é a sua desvalorização ao longo do tempo.

Quanto mais se utiliza um veículo, maiores são os seus desgastes. Por isso, os gestores de frota devem sempre realizar manutenções na frota, sejam preditivas ou preventivas, uma vez que com o uso intenso, maiores são os desgastes das peças e outros componentes dos veículos, o que pode causar acidentes e grandes prejuízos.

Mas, é fundamental entender que não é preciso substituir toda a frota por causa da depreciação. Novos veículos deverão ser adquiridos, apenas, em situações específicas, ou seja, onde a produtividade, a segurança das cargas e dos motoristas esteja comprometida.

Qual a importância deste cálculo?

Talvez, ainda não esteja claro qual a importância dos gestores de frota calcularem a depreciação dos veículos e, constantemente, monitorarem este indicador. A resposta é simples: a depreciação é uma “conta” e, como tal, precisa ser paga. Se não for o seu cliente que irá pagá-la, será você.

Isso significa que sua organização, todos os meses, acumulará prejuízo no que tange a utilização dos veículos. Por isso, é fundamental que a depreciação de sua frota seja calculada e, a partir desse calculo, sua empresa defina os valores dos serviços de frete e locação de automóveis, no caso de locadoras.

Assim, além de cobrir os custos com a depreciação, sua organização poderá lucrar de forma sustentável e competitiva, mantendo a saúde financeira do negócio, o que é fundamental para a existência de qualquer empresa.

Mas, como calcular a famosa depreciação? É o que mostraremos agora!

Como calcular a depreciação?

Conforme o CPC 27 ( Comitê de Pronunciamentos Contábeis ) – Ativo Imobilizado, reproduzido abaixo,

A seleção do método de depreciação e a estimativa da vida útil dos ativos são questões de julgamento. Por isso, a divulgação dos métodos adotados e das estimativas das vidas úteis ou das taxas de depreciação fornece aos usuários das demonstrações contábeis informação que lhes permite revisar as políticas selecionadas pela administração e facilita comparações com outras entidades. Por razões semelhantes, é necessário divulgar:

(a) a depreciação, quer reconhecida no resultado, quer como parte do custo de outros ativos, durante o período; e

(b) a depreciação acumulada no final do período

Levando em consideração o pronunciamento acima, para calcular a depreciação ( método linear ), vamos mostrar um cálculo muito simples, que ajudará o gestor de frota a conhecer o valor que a frota perde todo mês. Esse valor, por ser visto como um “custo mensal fixo”, deve ser incorporado nos mecanismo contábeis da sua empresa.

A fórmula é:

DEPRECIAÇÃO = VALOR DE COMPRA 

                                        VIDA ÚTIL

Para fins didáticos, daremos um exemplo. Um determinado veículo foi adquirido por R$ 120.000,00. Caso o gestor considere o prazo médio para depreciação de veículos em geral, que é de 5 anos (60 meses), ele estará totalmente depreciado em cinco anos. Mas, para considerar a depreciação de frota como um custo mensal fixo é preciso usar a fórmula. Portanto, temos:

Depreciação Mensal = R$ 120.000,00 / 60 meses ou  R$ 2.000,00 por mês

Importa destacar que esta é uma visão contábil aplicada à mensuração do valor de um ativo imobilizado. Em outras palavras, caso a organização perceba haver, por período superiores a 60 meses, expectativa de geração de benefícios econômicos, representado pela geração de fluxo de caixa, o administrador deve redefinir a vida útil do bem e, consequentemente, sua taxa de depreciação.

Ainda, é importante considerar que há diferença entre o valor contábil de um bem e seu valor de mercado. Este segundo usufrui de uma desvalorização menor, ainda que, por efeitos como a obsolescência tecnológica, incorra em perda de valor. Contudo, os veículos gozam de um valor de uso, e ainda que transcorrido algum tempo é possível que existam interessados no mercado de bens usados.

Como falamos, utilizamos os valores apenas para fins didáticos. O mais comum é considerar que:

  • Para veículos pesados, a média é de 8 a 10 anos;
  • Para veículos semipesados, a média é de 7 a 9 anos;
  • Para veículos leves, a média é de 5 a 7 anos;

Conclusão

Como mostramos no artigo de hoje, a depreciação é um índice muito importante para qualquer frota, sobretudo, para que se conheça o custo de sua desvalorização ao longo do tempo.

Agora que você aprendeu mais sobre o que é depreciação e como calculá-la, descubra tudo sobre tendências logísticas para o pós-pandemia e fique muito bem informado sobre esse assunto.

Recent Posts