Softwares: tudo que você precisa saber

Muitas pessoas, ao se depararem com a palavra software, acham que se trata de algo super complexo e de árdua implementação, com funções extremamente difíceis de entender e que foi desenvolvido por um nerd amante da matemática. Nem sempre essas “verdades” são absolutas quando falamos dos softwares e de seu desenvolvimento.

Da mesma forma, muitas pessoas acreditam que ao contratar um software é necessário reestruturar toda a companhia para se adequar a lógica do sistema e que o valor de contratação de um software é sempre exorbitante, fora da realidade financeira da organização.

No artigo de hoje, esclareceremos como são os softwares atuais, algumas funções que desempenham, seus preços e fatores que influenciam o valor comercial destes produtos.

É necessário reestruturar toda a empresa?

Uma máxima muito comum e que ainda encontra defensores é que quando uma empresa contrata um software, sua implantação requer inúmeras mudanças, transtornos sem fim, muita dor de cabeça, correria, mexe aqui e ali e grandes confusões. Precisamos lembrar que não é bem assim e que, quase sempre, isso não acontece.

Desde que os softwares passaram a ser comercializados como um serviço (SaaS), em comparação ao modelo antigo onde os softwares eram comercializados como produto, a implementação de um sistema é de total responsabilidade da provedora da solução. Somado a isso, diferentemente do modelo antigo, o modelo atual funciona nas famosas nuvens da internet.

Basicamente, o funcionamento do sistema e seu acesso se assemelham a uma rede social como o Instagram ou o Facebook, por exemplo. O usuário, para se conectar ao sistema e acessar suas funcionalidades, precisa somente de um login e uma senha, tendo em vista que toda a estrutura do sistema está hospedada fora da empresa que o utiliza.

Assim, nos dias de hoje, a contratação de softwares nunca foi tão fácil do ponto de vista estrutural, de implementação e de operação. No próximo tópico falaremos a respeito das funções que desempenham.

Funcionalidades: são sempre complexas?

Quando nos deparamos com alguma oferta de software, nos predispomos a acreditar que são sistemas super complexos, mas, grande parte das funções desempenhadas por um software são simples e muito fáceis de operar.

Vamos imaginar uma operação de transporte fretado de uma grande indústria que transporte dez mil pessoas todos os dias, e isso de segunda a sexta. Para gerenciar essa operação é evidente a demanda por um sistema que facilite a gestão, controle todos os envolvidos, meça o desempenho das etapas do processo, calcule os custos, promova redução de custo e realize outras tantas atividades.

Vamos nos ater aos passageiros. Dez mil pessoas são transportadas todos os dias. São dez mil endereços onde o transportador (terceirizado ou não) precisa ir para buscar e posteriormente regressar com as pessoas. Normalmente, esse quantitativo se divide em turnos. Como fazer para dividi-los e organizá-los em rotas compatíveis com a capacidade dos veículos disponíveis e de acordo com os turnos de trabalho? Certamente precisam de um software, pois, humanamente é impossível gerenciar tudo isso.

Essa organização é necessária para, além de introduzi-las no sistema como pontos de demanda e referenciá-las geograficamente, alocá-las em rotas compatíveis com seus turnos de trabalho e, ao mesmo tempo, promover um atendimento alinhado à demanda, quer dizer, deslocar veículos com capacidade (assentos) adequada de transporte.

No último tópico, e talvez o que necessite de maior esclarecimento, falaremos a respeito do preço destes softwares.

Preço: os softwares são sempre caros?

Antes de entramos no cerne da discussão é interessante ressaltar alguns aspectos relacionados aos softwares. Normalmente, os softwares são produtos de mercados B2B, ou seja, são vendidos por uma empresa a outras empresas. Neste tipo de mercado tem-se um de dois objetivos: ou o sistema ajuda a empresa a vender mais ou a auxilia na redução de custo.

Tendo isso em mente e levando em consideração que o desenvolvimento de um software leva tempo (normalmente anos), mão de obra especializada, grande alocação de recursos financeiros, paciência, planejamento e uma série de outras etapas, o valor de um software se mostra válido, por assim dizer, quando cumpre seu objetivo fazendo a empresa vender mais ou reduzindo custo.

É necessário levar em consideração que o desenvolvimento de um software é longo e o valor investido pela desenvolvedora, certamente, é muito maior do que mensalidade que você pagará para utilizá-lo.

É necessário, portanto, entender que não se trata de algo comum ou de valor irrisório, mas, de tecnologias com potencial de revolucionar toda uma empresa, operação e a vida de pessoas.

Conclusão

Os softwares são tecnologias que foram criadas com o fim de resolver necessidades existentes em nossa sociedade, tanto no contexto corporativo como no pessoal. Quanto ao preço, como dissemos, os software são tecnologias que normalmente apresentam tempo de pesquisa e desenvolvimento longo, grande alocação de investimentos, mão de obra especializada, suporte técnico e muitas outras etapas.

Seus valores de aquisição dependem muito da realidade de uma operação ou contexto, mas, quando resolvem os problemas de uma operação, reduzem custo ou fazem uma empresa vender mais e geram outros benefícios precisamos afirmar que sim, vale a pena contratá-los e utilizá-los ainda que o esforço financeiro por parte de quem os contrata seja considerável.

Agora que você aprendeu sobre softwares, descubra tudo a respeito de seguros para frota: será que ainda vale a pena contratá-los?

Recent Posts