6 taxas do transporte de cargas para você conhecer

O transporte rodoviário de cargas possui uma série de taxas que podem incidir em diferentes etapas do processo logístico. É muito importante que todo gestor de transporte conheça essas taxas.

Pensando nisso, no artigo de hoje, mostraremos as 6 principais taxas de transporte de cargas mais comuns em nosso país. Mesmo que você já as conheça, é sempre bom relembrar a função de cada uma, além do contexto de cobrança desses encargos.

No artigo de hoje, mostraremos:

  • Pedágio
  • Gerenciamento de Risco e Segurança (GRIS)
  • TRT (Taxa de Restrição de Trânsito)
  • Ad Valorem
  • TDE (Taxa de Dificuldade de Entrega)
  • Frete peso

Pedágio

Certamente, esta é a taxa mais famosa cobrada em todo o território nacional, portanto, dentre as outras taxas é a mais conhecida. As taxas cobradas nos pedágios são muito comuns em todo país.

O pedágio, também chamado de portagem, é um direito de passagem, normalmente, proveniente de uma concessão, pago a uma concessionária ou, ainda, a uma autarquia. Essa taxa se justifica, em teoria, para custear as manutenções nas vias e construir novos trechos.

Gerenciamento de Risco e Segurança (GRIS)

Esta taxa é cobrada no valor da nota fiscal, em forma de percentual. Essa cobrança existe para cobrir eventuais custos relacionados ao combate do roubo de cargas, infelizmente, ainda muito presente na realidade logística do Brasil.

O valor da GRIS considera algumas variáveis, como os custos operacionais envolvidos e o tipo de carga, para citar alguns exemplos de condicionantes que interferem no valor dessa taxa.

TRT (Taxa de Restrição de Trânsito)

Algumas cidades do Brasil possuem restrições de circulação impostas, especialmente, a veículos de carga. Se a rota de circulação envolve alguma dessas cidades, o embarcador deverá pagar essa taxa.

Ela existe para suprir os entraves a serem superados pelas transportadoras, sempre que a coleta e/ou entrega é realizada em municípios que possuam algum tipo de restrição à circulação de veículos de carga e/ou à própria atividade de carga e descarga.

Ad Valorem

Ad Valorem ou Frete Valor é uma taxa cobrada dentro da tabela de fretes que representa o custo do seguro da carga. Ela recai sobre o valor da mercadoria, e leva em consideração critérios como distância percorrida e tempo de trânsito, por exemplo.

Essa taxa é obrigatória. Por isso, é fundamental se atentar a ela. Por fim, vale ressaltar que o seu valor cobre os custos de seguro, quando os itens estiverem sob a responsabilidade da transportadora ou, ainda, se o embarcador não tiver uma apólice prévia.

TDE (Taxa de Dificuldade de Entrega)

Essa taxa foi criada para suprir imprevistos, afinal de contas, eles podem acontecer. Essa taxa respalda as transportadoras em relação às dificuldades de entrega de produtos, relacionadas às dificuldades de acesso ao destino e dos procedimentos de carga e descarga, além de demais adversidades com potencial de ampliar o prazo de entrega acordado.

Frete peso

A formação de preço dessa taxa está relacionada com a relação peso da carga versus distância percorrida. Através dessa taxa, objetiva-se equilibrar a cobrança dos serviços de frete, sobretudo, visando otimziar o carregamento do veículo.

Desse modo, essa taxa evita que um caminhão fique cheio, mas, com itens bem leves (que não atingem a capacidade, em toneladas) ou alcancem o limite de peso bruto, todavia, com produtos bem pequenos (deixando muito espaço vazio).

Conclusão

Esperamos que esse artigo te ajude a criar um check list a ser consultado todas as vezes que sua transportadora for realizar novas cotações, principalmente, na fase de planejamento e orçamentação.

Agora que você aprendeu mais sobre as 6 principais taxas envolvidas no transporte de cargas, aprenda mais sobre a importância da integração de dados para a gestão de transporte.

Recent Posts