Transporte fretado: guia de conduta na pandemia

A pandemia do novo coronavírus alterou completamente a vida em sociedade. Em todo mundo, diversas empresas adotaram o regime de trabalho remoto (home office), alteraram os turnos de trabalho, reduziram o quadro de pessoal, além de se preocuparem com questões de higiene e proteção individual.

Contudo, ainda que várias organizações tenham implementado o home office ou algum regime de trabalho híbrido, que mescle trabalho remoto e presencial, outras empresas, todavia, continuam a operar “normalmente”, ainda que em um novo formato, repleto de cuidados, políticas de segurança sanitária e quadro de funcionários reduzido.

No Brasil, por exemplo, organizações que possuem centros produtivos afastados dos grandes centros urbanos e grande quadro de funcionários, recorrem ao transporte fretado para transportar seus colaboradores até o local de trabalho.

Pensando nisso, no artigo de hoje, apresentamos uma política de segurança sanitária para o transporte fretado de funcionários, quer para organizações que continuam a operar, quer para empresas que ainda retomarão o estado normal de suas atividades de transporte.

No artigo dessa semana, você vai aprender sobre:

  • Redefinir os turnos de operação
  • Criar uma nova política de ocupação do veículo
  • Definir regras mais rígidas de conduta a bordo
  • Aumentar a higienização da parte interna do veículo

Redefinir os turnos de operação

A primeira etapa para desenvolver uma nova política, alinhada à nova realidade, é redesenhar os turnos de trabalho da sua organização. Atividades departamentais que podem ser desempenhadas normalmente em casa, poderão ser transferidas totalmente para o regime remoto. Assim, a demanda por transporte fretado será alterada, o que poderá implicar em um menor número de usuários por turno de trabalho.

Provavelmente, um novo planejamento de rotas deverá ser feito. Para ajudá-lo, recomendamos a leitura deste artigo completo sobre roteirização que escrevemos. Certamente, lhe auxiliará bastante.

Criar uma nova política de ocupação do veículo

A segunda etapa do novo planejamento de transporte, passa pela criação de uma política rígida de ocupação dos veículos direcionada aos usuários do serviço de transporte da sua organização.

Para exemplificar, tomaremos como base um ônibus de 44 assentos, divididos em 11 fileiras com dois assentos cada, à direita e a esquerda. A nova realidade imposta pela Covid-19 força as organizações a alterarem o padrão de ocupação dos veículos, sobretudo, no que diz respeito à redistribuição dos passageiros a bordo.

Sugerimos que as organizações utilizem, em cada fileira de assentos, composta de 4 poltronas (a direita e a esquerda) apenas os assentos da janela, em uma das fileiras e, na fileira de trás, utilizem o assento do corredor e, assim sucessivamente. Desta forma, será mantida uma distância de segurança entre os usuários do transporte fretado da sua empresa.

Recomendamos, também, que os primeiros passageiros a embarcarem nas rotas, ocupem os últimos assentos do veículo, preenchendo os assentos de trás para frente; reduzindo assim, o contato entre os passageiros em momentos de embarque.

Quando os passageiros forem desembarcar, o fluxo será o inverso. Os primeiros passageiros que estiverem ocupando os assentos da frente desembarcarão primeiro, um por vez, até o último ocupante desembarcar.

Definir regras mais rígidas de conduta a bordo

Além de estipular novas regras de ocupação, é importante definir políticas de conduta internas no veículo. Cada funcionário deverá entrar no veículo e permanecer em seu interior com mascará de proteção e seguir a etiqueta de tosse ou espirros (utilizar a parte interna do antebraço para limitar a dispersão de gotículas). Conversas entre os passageiros deverão ser evitadas.

Além disso, é recomendável que a organização instale no interior do veículo álcool em gel, para aumentar a segurança dos usuários e os padrões de higienização a bordo.

Por fim, recomendamos que se isole a cabine do motorista, cercando-a com acrílico, como temos visto em alguns supermercados. Assim, a segurança do motorista será aumentada, tendo em vista que, dentre os usuários do serviço, ele é o mais exposto.

Ressaltamos que as mesmas regras de conduta a bordo repassadas aos funcionários, também, devem ser seguidas pelo condutor, sobretudo, a utilização de máscara enquanto estiver dirigindo o veículo.

Aumentar a higienização do veículo

É fundamental que os procedimentos de limpeza do veículo, principalmente relativos ao seu interior, sejam intensificados. Por isso, recomendamos que todas as vezes que uma rota for encerrada, uma equipe específica de limpeza entre no veículo e faça a higienização.

Assim, a segurança dos usuários será garantida. Além disso, a organização conseguirá operar o transporte fretado em um novo padrão. Ressaltamos que provavelmente será necessário otimizar a frota utilizada na operação, já que o quantitativo de passageiros será reduzido ou redistribuido.

Conclusão

A nova realidade imposta pelo coronavírus altera totalmente a forma como as organizações são conduzidas, quer na na forma de fazer negócios, quer na gestão de pessoas e atividades de transporte.

Agora que você aprendeu tudo sobre como desenvolver uma nova política de transporte fretado em meio à pandemia e, também, na retomada da sua operação de fretado, descubra tudo sobre o aumento das entregas rápidas do Brasil, impulsionadas pela pandemia.

Recent Posts